11 – A vida no campo

O respeito e amor pela terra fez com que esta comunidade criasse uma relação de simbiose, aproveitando os seus recursos através de atividades como: a agricultura, silvicultura, criação de animais, entre outras.

Dedicados aos ciclos da terra, os Severenses dedicavam-se ao cultivo dos cereais, com particular destaque do milho, vinha e leguminosas. Em campos retalhados pelas encostas deste concelho, construíram varias unidades de apoio que ainda hoje são a marca da paisagem. Espigueiros, eiras e moinhos são uma constante nestes horizontes e ocupavam um papel preponderante no ciclo do milho. Se nas primeiras se guardavam e secavam as maçarocas e o grão, nas segundas transformava-se o cereal em farinha. As elevadas linhas de água e um relevo acentuado levaram o Homem a construir neste território de Sever do Vouga um impressionante número destes moinhos de água, que ainda hoje não possuem paralelo na região. A criação de animais tinha também um papel preponderante com ovelhas, cabras e vacas a serem uma das principais fontes de riqueza destas gentes.

A pesca e o transporte de mercadorias pelo Vouga eram também atividades das populações ribeirinhas, enquanto nas áreas mais elevadas aproveitavam- se os recursos florestais.

Era uma vida de trabalho, em que os escassos meios disponíveis levaram muitas pessoas a procurarem novos meios de vida em outras paragens. Mas esses novos tempos deram também origem a um novo patamar na produção agrícola em que os velhos saberes são otimizados em novas industrias agroalimentares como os lacticínios, as massas alimentícias entre outras.

A identidade de outrora mudou e desses tempos já restam muitas memórias e algumas fotografias.

Para saber mais